quarta-feira, 27 de junho de 2012

Testes de Triagem Neonatal - TESTE DO CORAÇÃOZINHO


Dr. Alexander Sapiro
R2 Lívia Lopes Moreira

Cardiopatias Congênitas Críticas
        Cerca de 1 a 2 de cada 1000 recém-nascidos vivos apresentam cardiopatia congênita crítica;
         Em torno de 30% destes recém-nascidos recebem alta hospitalar sem o diagnóstico, e evoluem para choque, hipóxia ou óbito precoce, antes de receber tratamento adequado;
        Representam cerca de 10% dos óbitos infantis e cerca de 20 a 40% dos óbitos decorrentes de malformações;
        Ocorre um mistura de sangue entre as circulações sistêmica e pulmonar, o que acarreta uma redução da saturação periférica de O2;
        A aferição da oximetria de pulso de forma rotineira em recém-nascidos aparentemente saudáveis com idade gestacional > 34 semanas, tem mostrado uma elevada sensibilidade e especificidade para detecção precoce destas.
        Cardiopatias com fluxo pulmonar dependente do canal arterial: atresia pulmonar e similares;
        Cardiopatias com fluxo sistêmico dependente do canal arterial: síndrome de hipoplasia do coração esquerdo, coarctação de aorta crítica e similares;
        Cardiopatias com circulação em paralelo: transposição de grandes vasos.

Oximetria de Pulso
        Deve fazer parte da triagem de rotina de todos os recém-nascido;
        Importante para o diagnóstico precoce de cardiopatia congênita crítica;
        Sensibilidade de 75% e especificidade de 99%. Sendo assim, algumas cardiopatias críticas podem não ser detectadas através dele, principalmente aquelas do tipo coartação de aorta;
        Oximetria não substitui outros exames, como o Ecocardiograma fetal, com 20 semanas, com atenção para problemas cardíacos;
        Ecocardiograma com mapeamento de fluxo em cores: método ideal, mas inviável para triagem.

Técnica
        Local de aferição: membro superior direito e em um dos membros inferiores;
       necessário que o recém-nascido esteja com as extremidades aquecidas e o monitor evidencie uma onda de traçado homogêneo.
        Momento da aferição: entre 24 e 48 horas de vida, antes da alta hospitalar.